A luta continua! … com a manifestação nacional em Paris, no dia 18 de Março

Publicado em

20070304-foto-manif-versalhMilhares de portugueses concentraram-se ou desfilaram no passado domingo, dia 4 de Março, frente aos consulados portugueses em França que o Governo do PS ameaça encerrar ou despromover. Foram 4000 em Orléans, mais de 1000 em Versailles, cerca de 800 em Nogent, 400 em Lille e 300 em Nantes.

A comunidade portuguesa está determinada em fazer recuar o Governo. António Fonseca, do Conselho da Comunidade Portuguesa de França e do Colectivo que coordena estas acções, declarou à Lusa que “as populações estão mobilizadas para irem até ao fim na contestação aos encerramentos apresentados pelo Governo”.

Só com a luta e a determinação o Governo recuará nas suas intenções de encerrar consulados, uma medida claramente economicista que revela ausência de uma estratégia e de uma política externa de afirmação e projecção de Portugal no Mundo, coerente com o interesse nacional e com os interesses das comunidades portuguesas. O Secretário de Estado bem pode tentar confundir e desmobilizar vindo a público afirmar que as manifestações “não têm razão de ser” porque “os encerramentos a efectuar não estão decididos”, adiantando que a decisão final será tomada pelo Ministro dos Negócios Estrangeiros.

As declarações do Secretário de Estado, ao contrário do que o próprio diz, só vêm dar razão àqueles que nas comunidades portuguesas optaram por não baixar os braços e ficar a aguardar a decisão do ministro que só poderia ser a de mandar aplicar aquilo que mandou publicar no “estudo” encomendado, ou seja, encerrar Consulados.

As Comunidades estão a lutar e a intervir, para ajudar o Secretário de estado, o Ministro e o Governo do PS a tomarem a decisão mais justa. A de não encerrar os consulados.

Como foi afirmado no passado domingo pelos organizadores o único projecto que o Governo deu a conhecer “visa o desmantelamento da rede consular em França”, por isso mesmo os “emigrantes vão continuar a lutar pela manutenção de um serviço público consular, eficaz e de proximidade e que salvaguarde os interesses de Portugal e das Comunidades”.

O PCP está solidário com a luta das comunidades portuguesas e exige a anulação das medidas anunciadas pelo Governo, defendendo um verdadeiro plano de reestruturação a começar, nomeadamente pela introdução de melhorias no funcionamento dos postos e sua gestão.

Imprimir